Español || English
Logo Artes Escenicas Inicio
Buscador
TEXTOS

Homo politicus, version Río de Janeiro

Autor: Renjifo, Fernando

Año de publicación: 2008

Artista: Fernando Renjifo

Obra: Homo politicus, versión Río de Janeiro

Fecha de incorporación a la web: 09/03/2009

Referencia bibliográfica:

Éticas del cuerpo. Juan Domínguez, Marta Galán, Fernando Renjifo, Madrid, Fundamentos, 2008, pp. 351-368.



Texto:

[...]

[DENISE: NÃO SEI]

[DENISE y ALBERTO se sientan entre el público. GUILHERME permanece tendido en el suelo, en el centro, al fondo del espacio.]

[DENISE desde su sitio:]

Essa hora eu não sei muito bem o que fazer. Eu não sei se saio ou se fico, se me aproximo ou se me afasto. Se eu ando na direção se eu desvio ou passo por cima. Se eu olho direto ou se eu desvio o olhar. Em que posição que eu fico, se eu fico de frente ou de costas, como eu me coloco. Se eu falo para uma pessoa ou se falo para muita gente ou se não falo nada. Se é melhor gritar ou se é melhor calar. Se fico alegre ou triste. Se devo ter medo ou se enfrento. Se eu tenho raiva ou sinto carinho. Se eu devo fazer alguma coisa ou se é melhor não fazer nada. Se eu devo lembrar ou se é melhor esquecer. Se eu ajudo, ou se não ajudo, se faço alguma coisa, se consigo fazer alguma coisa. Se eu penso, se adianta pensar, se eu posso fazer as pessoas pensarem junto comigo ou se é melhor não pensar nada. Não sei que posição tomar, se tem que tomar alguma posição. Se existe alguma posição melhor. Se é melhor ter uma ação clara e concreta ou então ficar deste jeito, sem ação nenhuma.

[Traduzco simultáneamente por micrófono:]

En este momento no sé muy bien qué hacer. No sé si quedarme o irme, si acercarme o apartarme. Si ir en esa dirección, si desviarme o pasar por encima. No sé si mirar o desviar la mirada. No sé qué postura tomar, si dar la cara o dar la espalda, cómo colocarme. No sé si hablar para una sola persona o para mucha gente, o no decir nada. Si es mejor gritar o callar. No sé si alegrarme o entristecerme. No sé si tener miedo o enfrentarme. Si siento rabia o siento cariño. Si debo hacer algo o es mejor no hacer nada. Si debo recordar o es mejor olvidar. No sé si ayudar o no ayudar, si hacer algo, si soy capaz de hacer algo. No sé si pensar, si vale de algo pensar, si puedo hacer que la gente piense conmigo o si es mejor no pensar nada. No sé qué postura tomar, si hay que tomar alguna postura. Si existe una postura mejor. Si es mejor tener una acción clara y concreta o quedarse así, sin hacer nada.

[...]

Leer texto completo en pdf
 



Archivos adjuntos: Fernando Renjifo-HOMO POLITICUS Rio de Janeiro.pdf |






Aviso Legal: © de los textos y las imágenes: sus autores Diseño CIDI; Desarrollo web GyaStudio